LEMBRANÇA COM PERFUME por Ana Paula Lanari

É incrível como pequenas coisas nos trazem lembranças de tempos tão remotos! Uma imagem, uma frase ou… um cheiro! Ah! O cheiro! Para mim o perfume é o maior e mais conhecido catalisador de memórias. Foi com o cheiro de goiaba, que me veio à cabeça uma recordação super gostosa do meu avô Raymundo.

perfume da lembrança

A casa do vovô era bem normal, mas o quintal dele, era sem explicação de tão bom! Mas mesmo assim vou tentar explicar: imagina uma criança descendo uma estreita escada para um amplo quintal, com uma goiabeira carregada de frutas, uma mangueira gigantesca, uma oficina de marcenaria e artesanato! Agora imagina a criança dentro de um lugar repleto de baús abertos e um trancado, e ela diante de… uma caverna pirata cheia de tesouros e aventuras!!! 

perfume da lembrança escada

Agora, pensa nessa oficina de artesanato cercada de gavetinhas e mais gavetinhas, todas cheias de parafusos, porcas, arruelas, pinos e pecinhas mil, das mais variadas formas e tamanhos, cada um em sua própria gavetinha! Rsrsrsss… Delirante, não é?

perfume da lembrança lixa

Vovô era incrível! Ele fez até um carrinho de rolimã para mim!!! Ah! E um par de pernas de pau! Agora, e se eu te contar que o meu avô Raymundo era o próprio Gepeto? Você acredita? Rsrsrssss… Para mim, era!!! 

perfume da lembrança gepeto

Extremamente habilidoso e caprichoso, fazia copos de garrafas que ele mesmo cortava e depois colocava peças de bijuteria para adornar, transformando aqueles copos em verdadeiras peças da távola do Rei Arthur! Lindos!!! Sabe, tenho até hoje, copos que ele fez de latinhas de cerveja! Ele cortava as latinhas na altura de um bom copo e depois lixava toda a superfície para deixar tudo na cor do alumínio! Você não faz ideia de como é gostoso beber suco, refrigerante e até mesmo cerveja nesses copos que ficam super gelados! 

perfum cops

Pois é, o cheiro da goiaba me levou ao quintal do vovô, onde tinha uma goiabeira que só ele regava e cuidava. Ele até conversava com ela! Quantas vezes comi goiaba lá no quintal, direto do pé e de olhinhos fechados! kkkkkkkkkkkk Verdade, fechava os olhos, assim não via os bichos e pronto, tava resolvido. Coisas de criança!!

perfume da lembrança goiaba

O cheiro da goiaba me levou à Fazenda do Mucambeiro. Quando meu filho tinha uns três anos, fomos à fazenda, almoçar com a Lúcia (que foi babá do meu marido), e depois do almoço levamos o João Paulo para ver como fazia a goiabada!!

perfume jp

Hummmmm!!! Que delícia!!! A Lúcia já estava “a postos”. De frente para aquele tacho enorme de cobre, mexia sem parar aquela massa de goiabas. Peneirava a polpa, juntava as cascas e para cada quilo de fruta, adicionava meio quilo de açúcar. Hummm… as goiabas madurinhas e firmes ainda, para aguentar três horas de mexe e remexe dentro da panela no fogo. Goiabada boa é do Mucambeiro, até hoje a melhor, não tem nem água de menos e nem açúcar demais!!!

perfume da lembrança tacho

Mas, o mais gostoso dessa lembrança que veio com o cheiro, é a imagem do meu filho pequenininho, de jardineira jeans, comendo o doce ainda quente na colher de pau!!!!

perfume colher

Para arrematar a conversa, preciso dizer o quanto vovô Raymundo era muito especial, muito mesmol!!! Depois que ele foi pro céu, a goiabeira, que só ele cuidava, nunca mais deu goiabas! 

aaaaOiiiê, se quiser receber um email avisando quando publico um novo post, clique aqui para deixar seu email. Obrigada, Ana Paula

ser com arte

Você poderá gostar de:

24 comentários em “LEMBRANÇA COM PERFUME por Ana Paula Lanari

    • Oi Nicole e o bom dessas histórinhas é que de fato aconteceram, claro que com um bocado de emoção na memória! Obrigada e volte sempre! Bj

  1. Polinha querida, acredito em cada virgula de seu conto. Não sei ser assim, delicada como você, por isso não conto contos. Mas quero te contar um caso verdadeiro:
    Minha sogra tinha um papagaio e os dois se amavam. Todas as vezes que ela chegava perto dele, ele gritava: Marieeeellll!!!! Quando ela mudou (saiu da casa para um apartamento), teve de dar o papagaio para uma amiga, Helena de Castro, que podia criá-lo em sua casa em Lagoa Santa. Deste dia em diante, o papagaio emudeceu. Passados 10 anos, ela foi buscar o papagaio de volta, e adivinha o que aconteceu na hora que o papagaio viu minha sogra? Olhou pra ela e: MARIEEEEEELLLLL!!!!!!!

  2. Ana Paula, num momento tão triste que só pensamos nas consequencias desta copa, vc traz uma coisa lúdica assim pra gente. Obrigada

    • Joana querida, “temos que endurecer sem perder a ternura”, não é? É importante dar uma respirada, uma pausa na realidade para que a gente possa seguir em frente com a vida. É o mesmo que dar uma boa gargalhada por dia! Brinco muito com meus filhos que pelo menos as rugas de risada são mais bonitinhas do que as do choro! rsrsrsrsrs Que bom que consegui te dar um pouquinho de distração da vida! Beijo

  3. Ana , queridinha ! Acabei de dizer no face que , adoro ,amo suas lindezas …
    A gente vai se envolvendo em suas lindas lembranças , em suas proezas , e de repente
    estamos mergulhados em nossas próprias estórias …
    rsrsrs , ”viajei” até a casa de minha avó Clara ,em Mariana ,aqui pertinho . Me vi na janela de sua cozinha ,cobiçando as goiabas nos pés . Como eram só dois e alguns netos , precisávamos de autorização pra colher .
    Eram goiabas brancas ,rsrsrs , nem viamos os bichos …. rsrsrs , aprendi muito cedo que , bicho de goiaba , goiaba é …
    Saudades meu Deus , do puro , do simples ,que nos fazia tão felizes !!!
    Se conserve sempre assim ,Ana ! Leve , pro alto , brincalhona mesmo falando sério …
    Bjs !!!

    • Polinha, é sua de direito, mas se vc não usar essa frase maravilhosa, eu vou me apossar dela: “A gente vai se envolvendo em suas lindas lembranças , em suas proezas , e de repente estamos mergulhados em nossas próprias estórias …”

    • Nilza querida, então minha história serviu como o perfume catalisador de memórias para você! Essa é a parte que mais gosto dos meus contos e desenhos, esse poder de trazer o passado gostoso das pessoas para o presente! A Dilu disse que sou que nem a música do Roberto Carlos – Emoções, quantas emoções, rsrsrsrsrs verdade! Sou emocional, passional e superlativa! rsrsrsrs Ah! E terrivelmente romântica! Nilza, estou superhiperultramega alegre de te ver por aqui! Beijão

  4. É por essas e outras que adoro vir aqui. Sempre que tenho tempo, venho e tenho surpresa boa. Muito lindinha Ana Paula

    • Natalia que bom que você gostou! Venha sempre, o Dilucious é como a caverna de piratas, ou a oficina do meu avô: cheio de deliciosas surpresas! Beijos

  5. Que lindo Ana , você conseguiu me proporcionar o degustar do meu passado , que bom era…goiabada , oficina , perna de pau , carrinho de rolimã , papagaios , cartuchos de coroação , vixe tanta coisa no quintal e na oficina que me hipnotizam… dentro de casa , lindas costuras , enxoval de netos de tricô , bordados lindos , lingerie bordada a mão . Sentia muito orgulho daquela casa que vivi e fui criada , enfim aprendendo um pouco de tudo. Bom se a geração de hoje soubesse a metade . Parabéns beijo. Obrigada por esta crônica tão gostosa com o tempero da saudade , feliz.

    • Eliana querida, felizes somos nós que tivemos essa delícia de infância! Bom demais de recordar não é? rsrsrsrs Eu adoro lembrar da minha infância e da infâncias dos meus filhos, aliás recordar todos os momentos bons da vida é muito gostoso! É como você postou outro dia: o que é ruim ficou no passado! Viva a vida! beijos

  6. Cheguei na nossa infancia!
    Da pitangueira da nossa casa/escola da vovó Stella.
    Adorava encher minha cestinha e a nossa alegria era comer as melhores no fim de semana.
    Conta depois uns causos dessa casa
    Bjs com cheiro de mimeógrafo!
    Kkkkk

    • Putz ! Stellinha, o cheiro divino do mimeografo, que lembrança boa! As pitangas no recreio com açúcar que a Maria dava! Ah! Vou escrever sobre a nossa infância no colégio da vovó! Beijos prima querida!

  7. Polinha, bem sabes, adoro poesia. Em verso e em prosa. Também em desenhos. Teus “desenhinhos” soam como poesia para mim. Alguns poemas sei de cor, de tanto ler. Estes dois versos de uma poesia de Cecília Meireles, ” A arte de ser feliz” me dizem do jeito como me chegas, quando me lembro de ti. bjks

    “Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
    Outras vezes encontro nuvens espessas.
    Avisto crianças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro.
    Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
    Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
    Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
    Ás vezes, um galo canta.
    Às vezes, um avião passa.
    Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
    E eu me sinto completamente feliz.

    Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
    que estão diante de cada janela,
    uns dizem que essas coisas não existem,
    outros que só existem diante das minhas janelas,
    e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim. “

    • Vera querida, momentos felizes existem sim e nas janelas de todos! O importante é prestar a atenção quando eles passam por nossas janelas e pegar eles como borboletas coloridas para guardar no nosso coração! Só existe felicidade para quem coleciona pequenos e deliciosos momentos de prazer e ternura! Adoro seus comentários, guardo eles na minha coleção! Beijos

  8. Polinha querida do coração!!
    Pra mim estas suas “falas”,são casos carregados de amor!!Por isso tão deliciosos.
    Como disse Guimarães Rosa.”…o correr da vida embrulha tudo”…e qdo paro para “escutar” seus casos
    me transporto para um tempo de descompromisso,de nostalgia,de harmonia.
    Isso se chama lembranças!!!Boas lembranças!Obrigada por trazê-las de volta.Bjos “culega”.

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CyberChimps