Um taxista em São Paulo que você pode confiar

eu-e-sr-jose-taxiRecebi a mensagem que copiei e colei aqui neste post porque ela veio bem a calhar. Até parece que quem escreveu o texto, leu meus pensamentos a respeito do Sr. José, motorista de táxi em São Paulo. Ele nos buscou no aeroporto, nos deixou no restaurante e levou nossas malas para serem entregues no hotel. Confesso: foi nosso primeiro encontro, e no nosso jeito mineiro de ser, confiamos, ainda que meio desconfiados. Estávamos bem lá almoçando, ele nos liga do hotel dizendo que a recepção não conseguia achar a reserva… Afff, até descobrirmos que fiz a reserva no meu nome e eles procuravam pelo nome do Luiz, ele ficou lá esperando a solução do problema. Vi que aquele homem, indicado pela prima da Stella, tinha se tornado um grande achado!

Sr. José Consoli: 99107.79.40

consoli_taxi@hotmail.com

Bem, agora aí vai a mensagem que, além de exemplificar nossa experiência com o Sr. José, traz uma lição de vida:

.

Pato ou Águia? Você decide.

Autor desconhecido

.
Estava no aeroporto e a primeira coisa que notei foi um táxi limpo e brilhante. O motorista – bem vestido, camisa branca com gravata e calças bem passadas – saiu, me abriu a porta e disse:

Eu sou Willy, seu chofer. Enquanto guardo sua bagagem, gostaria que o senhor lesse neste cartão qual é a minha missão.

No cartão estava escrito: Levar meus clientes a seu destino de forma rápida, segura e econômica, oferecendo um ambiente amigável.

Observei que o interior do táxi estava igualmente limpo. Willy me perguntou:

– “O sr. aceita um café?”

Brincando, eu disse: Não, prefiro um suco.

eu-e-sr-jose-spImediatamente, ele respondeu:

– Sem problema. Eu tenho uma térmica com suco normal e também diet, bem como água. Se desejar ler, tenho, além das revistas, o jornal de hoje.

Ao começar a corrida, o Willy me perguntou se a temperatura do ar condicionado estava boa. Daí me avisou qual era a melhor rota para meu destino e se eu queria conversar com ele ou se preferia que eu não fosse interrompido. Eu estava impressionado e perguntei:

Você sempre atende seus clientes assim?

Não sempre. Somente nos últimos dois anos. Meus primeiros anos como taxista passei a maior parte do tempo me queixando igual aos demais taxistas. Um dia li um livro chamado “Quem você é faz a diferença” de um especialista em desenvolvimento pessoal: “Se você levanta esperando ter um péssimo dia, certamente o terá. Não seja um pato que só fazem barulho e se queixam. Seja uma águia que se elevam acima do grupo“. Eu estava todo o tempo fazendo barulho e me queixando, foi então que olhei os outros táxis, sempre sujos, motoristas pouco amigáveis e clientes insatisfeitos. Decidi mudar minhas atitudes e fazer umas mudanças. No meu primeiro ano como águia dupliquei meu faturamento. Este ano já quadrupliquei. Já não estou mais na parada de táxis. Meus clientes fazem reserva pelo meu celular ou mandam mensagem. Se não posso atender, consigo um amigo taxista “águia” confiável para fazer o serviço.

Willy era fenomenal. Oferecia um serviço de limusine em um táxi normal.

Não importa se você é professor, servidor público, político, executivo, empregado ou profissional liberal. Como você se comporta? Se dedica a fazer barulho e se queixar, ou está se elevando acima dos demais? Lembre: A DECISÃO É SUA E CADA VEZ VOCÊ TEM MENOS TEMPO PARA MUDAR.

.

aaaa

Se quiser receber um e-mail avisando quando publicamos novo post, por favor, deixe seu email aqui. Obrigada, Dilu

BBB

Você poderá gostar de:

Um comentário em “Um taxista em São Paulo que você pode confiar

  1. Dilu sensacional ! Podemos estender estas reflexões para todos segmentos de prestação de serviços ! Bjs e um dia abençoado !

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CyberChimps