A história não contada da culinária por Ana Paula Lanari

Hoje o Dilucious volta no túnel do tempo, mais precisamente 4.000 anos antes de Cristo com a história não contada da culinária. Por que essa jornada? Porque vou mostrar para vocês a verdadeira história do início da gastronomia! Para isso vamos contar com o grupo super antigo das Diluzzetes em sua primeira encarnação na terra.

.

A história não contada da culinária

Por Ana Paula Lanari

.

tunel-do-tempo

.

Na pequena aldeia a beira mar, Dilu, Vera, Stella, Júnia, Eliana, Graça , Cristina e eu residia-mos em cavernas com nossos respectivos maridos.

.

caverna

.

Certa vez a Dilu estava caminhando na beira do mar, carregando um pedaço de carne de dinossauro que os homens caçaram, quando tropeçou no pequeno Duque, seu animal pré-histórico de estimação e caiu esparramada deixando a carne molhar na água do mar.

.

carne-pro-duque

.

Claro que essa pessoa que a gente conhece como Fada na reencarnação atual, com seu paladar apurado sentiu o gosto da água e logo passou o dedo na carne e assim teve a epifania do tempero!!!! Pois é gente, daí para frente tudo foi diferente! Rsrsrsrrs

.

eu-c-carne

.

A Dilu Pedrita então correu para a caverna e começou a fazer testes com a carne. Parecia uma maluca, entrava e saia da caverna correndo de um lado para o outro o que acabou chamando a atenção das outras mulheres. A primeira a chegar foi a Polinha, com as mãos sujas de terra de várias cores, pois estava ocupada decorando a caverna dela com pinturas rupestres. Em seguida chegaram a Vera e a Stella, estavam juntas conversando sobre as estrelas da noite anterior. Filosofia pura em seus primórdios! Rsrrsrsrs… Graça trouxe Eliana depois de a ter medicado com uma folha nativa para curar uma urticária, já que era a curandeira da aldeia. Quanto a Júnia e a Cris demoraram um pouco para chegar já que a Cris estava talhando uma pedra com as idéias da Júnia para decoração de comidas. Não posso deixar de dizer que a Eliana foi a inovadora das vestimentas da época. Super criativa, não lidava só com peles de animais, foi também para outros materiais mais leves para o verão. Pode se dizer que foi o primeiro ser humano a fazer coleção por estação! Rsrsrrrs

.

diluzetes

.

Todas reunidas a Dilu chega com a sua criação: pequenos pedacinhos de carne temperados com “flor” de sal, e aromatizadas com ervas da redondeza!

.

dilu-e-carne

.

Um show pré-histórico!

.

carne-pronta

.

Diante de tanta novidade a mulherada não se conteve e cada uma foi buscar o que de mais novo tinham criado!!! Júnia chegou com folhas de bananeiras que serviram como jogos americanos (nada meia boca), Stella trouxe rosas vermelhas que estava cultivando escondida como experimento, eu levei as cerâmicas que serviram como pratos e Eliana trouxe novos trajes para todas. A Cris relatou tudo entalhando uma pedra com seus escritos perfeitos! A Graça verificou se era tudo bem saudável e a Vera nos levou aos céus nos ensinando tudo sobre o deus sol e a deusa lua!

.

diluzettes-2

.

Então, ficou bem explicado? Foi assim, em nossas primeiras encarnações que nos encontramos como Diluzzetes e fomos apresentadas à culinária da Dilu! E tenho dito! rsrsrrs

.

aaaa

Se quiser receber um e-mail avisando quando publicamos novo post, por favor, deixe seu email aqui. Obrigada, Ana Paula Lanari

BBB

Você poderá gostar de:

20 comentários em “A história não contada da culinária por Ana Paula Lanari

    • Oi Patricia, que bom que você sentiu minha falta e gostou dessa história maluca! Rsrsrsrs Vou tentar não sumir e caprichar nas idéias por aqui no Dilucious! Beijos

    • Valéria e não dá pra duvidar que a Dilu aprontou uma criação dessa na primeira encarnação dele né? Rsrsrsrs Obrigada por ter gostado! Beijos

    • Ei Bruna, muito obrigada pelo elogio! Não dou aula de desenho, quem sou eu? Mas, posso saber de alguém bacana para você! Ahhh! Me lembrei que tem uma aula legal no Atelier da Vila, eles tem fb. Beijos

    • Ana Lúcia, o que seria de nós sem as amenidades? Adoro uma boa “cultura inútil”, assim a vida corre mais leve! Obrigada por ter gostado! E viva a vida! Beijos

  1. Ana Paula eu li a historinha e li as mensagens e vi que vc é fofa pra escrever e pra responder. Quanta simpatia menina, que astral bom! Alegra a gente!

    • Vivi, muito obrigada!!! Isso me alegra demais! Eu acho que a gente deve fazer de tudo para o nosso dia e dos outros ser bom, a vida já é muito pesada. Pesada e boa por demais da conta! Rsrsrsrs beijos

  2. Ô “minina” criativa!!!! Tenho certeza que esta caverna está lotada de esculturas e desenhos rupestres da artista Polinha.O que vale é que mesmo passando alguns anos(!!!) as pedritas continuam com os mesmos gostos e dons!! Muito deliciosa esta sua estória!!!Adorei!

    • Minha amiga querida, disse tudo, as pedritas continuam as mesmas e muito mais amigas! O que me fez lembrar o meu refrão: viva a família, viva a família de amigos! Beijos

  3. Polinha, vc é a verdadeira encarnação da leveza, da criança, da ingenuidade. Vc e única, me sinto agraciada, pela oportunidade de desfrutar do seu carinho, amor e amizade, assim como da Dilu, Stella, Vera, Cristina,Eliana,Junia, cada uma com seus predicados que vem agregar mais amor a esta grande família. Amo vcs! Bjs Bjs, Estou emocionada…

    • Minha amiga Graça, você não faz idéia de como as suas palavras me fizeram bem hoje! Estava mesmo precisando de um carinho desse. Também te amo minha amiga querida! Beijos

Deixe seu comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CyberChimps